Zumbido no ouvido pode ser sintoma de diversas doenças. Conheça as causas!

Investir em qualidade de vida, evitar ruídos e consultar um médico são as melhores opções para se livrar do problema Você vem sentindo um barulhinho constante e incômodo em seus ouvidos? Algo parecido com um zumbido no ouvido? Pois saiba que você não está sozinho! Segundo um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) cerca de 22% da população de São Paulo possui zumbido nos ouvidos. Ao contrário do que muitos pensam, esse barulhinho chato não é uma doença, mas sim um sintoma de que há algo errado no organismo. Mas não se preocupe. Há muitas maneiras de mudar esse quadro. O primeiro passo é tratar o zumbido com mais naturalidade, sem alardes. Segundo a fonoaudióloga Andrea Soares, sócia da FONOTOM, a tendência é que o zumbido melhore. “Além de poder estar associado à perda auditiva – como na maioria dos casos, o Zumbido pode ter uma causa metabólica ou somática” – explica a profissional. É comum que o mesmo paciente apresente o zumbido por mais de uma causa. A especialista explica que tratar as causas é um dos caminhos para reduzir o sintoma e, de quebra, ainda melhorar a qualidade de vida. “Tratar as causas do zumbido pode significar a prevenção de uma série de doenças crônicas não transmissíveis, a diminuição do estresse, mais disposição para as atividades do cotidiano, emagrecimento, entre outros benefícios”, afirma a fonoaudióloga. Mas, afinal, quais são as principais causas do Zumbido? * Causas metabólicas: - Alterações de níveis de triglicérides; - Taxas altas de colesterol; - Distúrbios hormonais; - Diabetes; - Hipertensão; - Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs); - etc. * Causas somáticas: - Má alimentação; - Exposição frequente a ruídos; - Sedentarismo; - Consumo excessivo de álcool; - Tabagismo; - Ingestão exagerada de xantinas (café, refrigerantes, alimentos com cafeína); - Excesso de açúcar na alimentação; - Disfunção da Articulação Temporo-Mandibular (ATM); - Sobrepeso e obesidade; - Problemas emocionais e psicológicos como ansiedade, estresse, insônia; - etc. Segundo o estudo “Prevalência do zumbido na cidade de São Paulo”, realizado pela Faculdade de Medicina da USP e divulgado em 2015, o zumbido aparece mais entre os paulistanos do que o esperado. A razão provável está nas condições de qualidade de vida que a cidade oferece. Os paulistanos estão mais estressados, insones, sedentários e acima do peso do que nunca. Além disso, são expostos a níveis exorbitantes de ruído e poluição sonora diariamente. O barulho na cidade pode chegar a 100 decibéis, enquanto o limite indicado como ideal pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de 70 decibéis. Neste contexto, o paulistano tem uma alternativa: cuidar-se mais! “A adoção de hábitos mais saudáveis é a melhor opção para combater o zumbido e outros males causados pelos mesmos motivos”- garante Andrea Soares. O que fazer para reduzir o Zumbido? - Antes de tudo, alimentar-se bem! O Guia Alimentar para a População Brasileira, desenvolvido pelo Ministério da Saúde, possui os 10 passos para uma alimentação adequada e saudável, com informações preciosas para mudar seus hábitos à mesa. - Realizar check-ups frequentes, consultando médicos e realizando exames de rotina. Isso vale não só para zumbido, mas para manter sua saúde sempre em dia. - Evitar expor-se a ruídos fortes. E isso inclui o volume alto do fone de ouvido ou do ambiente de trabalho. Caso suas atividades laborais envolvam barulho, proteja-se com protetores auriculares e filtros. - Beber ao menos dois litros de água por dia. Um organismo hidratado é mais saudável! - Controle a hipertensão, auferindo a pressão periodicamente. Consulte seu médico. - Dormir bem. Qualidade de sono é fundamental para evitar o zumbido. - Reduzir o consumo de cafeína. Prefira chá ou sucos. - Praticar exercícios físicos regularmente e manter a musculatura ativa, assim como o metabolismo funcional. - Fazer caminhadas para melhorar a circulação e ativar o seu corpo. - Evitar o consumo de drogas, incluindo remédios sem prescrição médica. - Buscar métodos de relaxamento, como meditação, yoga e outros. Ajudam a relaxar mente e corpo. A indicação dos profissionais da FONOTOM é a procurar um otorrinolaringologista ao menor sinal de zumbido para a realização de exames clínicos e laboratoriais. Além disso a avaliação audiológica é importante para auxiliar na descoberta da causa do zumbido. Entre os exames recomendados é aconselhável realizar audiometria com alta frequência, limiar de desconforto e acufenometria. Com esses exames será possível detectar se há perda auditiva e ainda a frequência e intensidade do zumbido. Após a detecção das possíveis causas, o médico poderá encaminhar para o tratamento com o fonoaudiólogo. Em alguns casos com o uso do aparelho auditivo ou com terapia para zumbido com gerador de som o problema é mais facilmente resolvido. Viu só como é fácil livrar-se do incômodo do zumbido? Siga nossas dicas e procure seu médico. Com certeza sua vida vai ser muito melhor! Fotos: Reprodução

FALE CONOSCO:

 

Central de Agendamento

   Telefone: (11) 93392-6028
   WhatsApp: (11) 93392-6028

 

Horário de agendamento

   Segunda à sexta-feira das 8h30 às 17h30

 

E-mail

   contato@fonotom.com.br

Horário de atendimento presencial:

   Segunda à sexta-feira, das 08h30 às 20h30h

   Quando aos sábados, das 8h30 às 14h.

Endereço:

   Avenida Angélica, 1968 sala 64 - Higienópolis,

   São Paulo - SP, 01228-200

Próximo à linha amarela do Metrô, entre as estações Mackenzie e Paulista.

  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • YouTube ícone social
  • LinkedIn ícone social

© 2019 por Fonotom